Filmes de boxe no Netflix

A indústria cinematográfica sempre foi muito generosa com quem é fã da nobre arte, produzindo obras que colocam o boxe como protagonista deixando assim as histórias ainda mais emocionantes.

Dando uma olhada pela categoria de lutas no Netflix, logo pensei em escolher os melhores que existem por lá e indicar para você que quer sair do óbvio assistindo aos filmes e documentários que exaltam o boxe e seus enredos. Então venha conferir essa lista e divirta-se!

  • Mãos de Pedra

Um dos mais bem feitos à disposição do assinante. Depois de trabalhar como pintor, garçom e engraxate, o panamenho Roberto Durán começou sua carreira de boxeador profissional antes de completar dezessete anos, em 1968. Com a ajuda de uma lenda do boxe, Durán supera uma vida de privações e se torna um dos maiores pugilistas de todos os tempos.

  • Cinderella Man (A luta pela esperança)

Meu grande favorito dessa lista conta a história do boxeador Jim Braddock, que chega à glória do boxe durante a Grande Depressão quando ele e sua família chegam a passar frio e fome. O boxeador revolve entrar em cena quando os americanos precisavam desesperadamente de um herói para voltarem a sonhar com dias melhores.

  • Contragolpe

Meu segundo favorito traz o período em que a queda na popularidade do boxe chama a atenção de todos envolvidos no universo das lutas. Assim, três lutadores em diferentes estágios na carreira fazem os maiores sacrifícios para se tornarem campeões e fazer dos eventos os melhores do mundo novamente.

  • Mary Kom

A filha de um fazendeiro pobre supera as objeções de seu pai e as exigências de uma sociedade dominada pelos homens para ir atrás de uma carreira no boxe. Vale a pena conferir essa bela história baseada em fatos reais.

  • Champs

Mergulhando em assuntos polêmicos como pobreza e racismo, este filme mostra a vida dos astros dos pesos-pesados Mike Tyson, Evander Holyfield e Bernard Hopkins.

  • Encarando Ali

Dez grandes boxeadores descrevem a incrível experiência de estar no ringue com o maior boxeador de todos os tempos: Muhammad Ali. Imperdível para quem o tem como ídolo.

  • Dawg Figth

Se você gosta de ação, esse é o ideal. Na periferia de Miami, brigas de fundo de quintal passam a ser lutas, uma fonte de renda e respeito para os jovens do bairro humilde.

  • T-Rex

Após uma infância difícil, a americana Claressa Shields tenta vencer a lógica e se tornar campeã olímpica de boxe aos 17 anos. Prepare-se para ver muita emoção.

  • Manny

Este documentário acompanha a jornada do super talentoso Manny Pacquiao, que vence a pobreza extrema e alcança a fama global como um dos grandes astros da história do boxe nos últimos tempos.

  • Luta pela honra

O protagonista é um fruticultor que foi espancado para não poder ganhar do filho do patrão numa luta de boxe. Agora, ele treina com um técnico desmoralizado para poder se vingar.

  • Escorpião apaixonado

Com um assunto bem atual, o filme traz a história de um jovem neo-nazista que descobre um propósito na vida ao frequentar uma academia de boxe – e se apaixonar por uma imigrante.

  • Knuckle

Duas famílias irlandesas resolvem suas diferenças em lutas de boxe neste documentário dirigido por Ian Palmer.

  • Herbert

Após o auge de sua carreira, um boxeador tenta reconstruir a relação com sua filha ao enfrentar o início de uma doença terminal. O boxe faz parte do cenário dessa emocionante história.

Para conferir outros títulos e clássicos do boxe fora do Netflix, visite: Filmes marcantes sobre boxe

Anúncios

Power Ranking Boxing – Edição 2017

No ano de 2015, decidi escolher um novo método de avaliação para emparelhar os melhores libra por libra do boxe. Levando em conta quesitos importantes para formar um conjunto que sirva como referência para analisar os boxeadores, decidi por critérios diferentes do comum para analisar o desempenho de cada lutador, além do potencial de proporcionar o espetáculo que o público exige. Com isso, é possível tentar eleger os melhores do momento com mais detalhes.

Particularmente, no Power Ranking Boxing (método inspirado no Power Ranking feito pela ESPN americana em ligas como NBA e NFL), busquei ao máximo me desvencilhar dos rankings que só levam em conta o número de vitórias e olhamos para o cenário que cada boxeador proporciona quando está em ação. Após ver o jornalista Gustavo Hofman fazendo isso com os times do futebol brasileiro, pensei em poder fazer o mesmo no boxe. Como já disse, é polêmico? Sim. Vai agradar a todos? Claro que não!

Não foi fácil retomar essa ideia, mas atendendo a pedidos e observando o desempenho dos últimos quatro combates de cada boxeador, chegamos aos nomes que tem estrelado importantes episódios do cenário atual. Analisando quesitos impostos pelo Power Ranking como estratégia, técnica, ritmo de luta, potencial de defesa e ataque, segue a primeira classificação da temporada. O Power Ranking Boxing será atualizado mensalmente trazendo os 15 melhores daqui em diante.

1. TERENCE CRAWFORD (31-0, 21 KOs), o lutador peso super-leve segue invicto ao derrotar Julius Indongo em sua última luta no mês de agosto.
2. GENNADY GOLOVKIN (37-0-1, 32 KOs), favorito do público no peso-médio, manteve sua invencibilidade com o empate na luta contra ‘Canelo’ Álvarez em setembro.
3. VASYL LOMACHENKO (9-1,5 KOs), queridinho do momento entre os super-penas, segue no caminho das vitórias após derrotar Miguel Marriaga em agosto.
4. ‘CANELO’ ALVAREZ (49-1-2, 32 KOs), estrela dos médios, deu o melhor de si no empate contra Gennady Golovkin na melhor luta do ano até aqui.
5. Keith Thurman (28-0, 22 KOs), tem se destacado cada vez mais entre os médios, principalmente após manter a invencibilidade contra Danny García em março.
6. ERROL SPENCE JR (22-0, 19 KOs), um dos mais talentosos do peso-médio, provou estar pronto para encarar a classe A ao derrotar Kell Brook em maio.
7. GUILLERMO RIGONDEAUX (17-0, 12 KOs), mais um invicto do peso-pena, terá um grande desafio ao encarar Lomachenko em dezembro.
8. MIKEY GARCÍA (37-0, 30 KOs), um dos melhores da atualidade entre os leves segue invicto ao ter vencido Adrien Broner em julho.
9. NAOYA INOUE (14-0, 12 KOs), líder do peso-galo manteve a invencibilidade ao vencer por nocaute técnico Antonio Nieves em setembro.
10. SERGEY KOVALEV (30-2-1, 25 KOs), o meio-pesado segue sendo uma das estrelas do boxe pelo seu poder ofensivo mesmo após a derrota para recente aposentado Andre Ward em junho.
11. SRISAKET SOR RUNGVISAI (44-4-1, 40 Kos), o talento do peso-mosca venceu com louvor a revanche contra Román Gonzalez em setembro.
12. OSCAR VALDÉZ (23-0, 19 KOs), um dos melhores da categoria pena sofreu um pouco na última luta em setembro, mas conseguiu derrotar Genesis Servania e segue invicto.
13. ANTHONY JOSHUA (19-0, 19 KOs), o melhor peso-pesado hoje vem de uma vitória suprema contra Wladimir Klitschko.
14. JUAN FRANCISCO ESTRADA (36-2, 25KOs), tido como um dos craques do peso-mosca, superou Carlos Cuadras na última luta e tem lugar garantido na lista entre os melhores.
15. LEO SANTA CRUZ (34-1-1, 19 KOs), tido como um dos mais completos do peso-pena, derrotou Chris Avalos na última luta que vez em outubro e aguarda pela segunda luta contra Abner Mares.

Rosado derrota Tapia em noite espetacular

“King” Rosado, à esquerda, abriu caminho para um possível combate ao título na divisão dos médios ao vencer Glen Tapia em seis rounds. (Photo: Derrick Hogan/Hoganphotos/Golden Boy Promotions)

NEVADA, EUA — The Park Theatre of Monte Carlo foi palco de dois duelos eletrizantes na noite desta quinta-feira (19) em Las Vegas. Gabriel “King” Rosado retomou às pazes com a vitória ao derrotar Glen Tapia por nocaute técnico no sexto round na principal do evento da Golden Boy Promotins em parceria com a ESPN. Ambos boxeadores precisam de uma vitória significativa e incontestável após virem de uma série de resultados negativos.

E na ocasião, foi Gabriel Rosado que atuou de forma brilhante para voltar ao time dos melhores da categoria. Antes dos duelos começarem, houve uma homenagem às vítimas do tiroteio ocorrido em Las Vegas que deixou 59 mortos e mais de 500 feridos no dia 02 de outubro.

Este foi o pior ataque a tiros da história do país que mobilizou turistas e moradores da cidade em uma corrente de solidariedade. Por ter noites memoráveis em Vegas desde sempre, o boxe não poderia deixar de fazer sua parte para que a capital das lutas retomasse suas noites de alegria com o esporte mais nobre do mundo.

No começo do duelo, “Jersey Boy” Tapia (23-5, 15 KOs) optou por entrar mais ofensivo ao confrontar a estratégia de Rosado no combate. A partir do terceiro round, no entanto, Rosado dominou o adversário de 27 anos com muita superioridade, arrancando golpes mais duros, o levando diversas vezes para as cordas sem ter chance de reação. Rosado, com 31 anos, mostrou-se mais forte e decisivo, provocando um sangramento no nariz de Tapia, que após levar uma sequência de golpes no supercílio, também ficou com um enorme hematoma na testa.

Um golpe direto sobre Tapia no sexto round, seguido de um gancho de esquerda o levou para a lona. Tapia conseguiu levantar-se, mas logo em seguida Rosado voltou a atacar com muita velocidade na linha da cintura e nos pontos fracos da defesa de Tapia, que não conseguia mais proteger a cabeça. Assim, o árbitro Robert Byrd, com sabedoria, parou a luta dando a vitória por nocaute técnico a Rosado.

Rosado comprovou seu talento técnico com uma vitória massacrante sobre Tapia, (Photo: Golden Boy Promotions)

Foi a quarta derrota consecutiva de Tapia na carreira. Enquanto Rosado voltou a vencer após ter tido duas derrotas seguidas. Com isso, o americano de descendência puertorriqueña deverá ter a chance de competir com adversários de alto nível na temporada que vem para defender seu cartel de 24 vitórias, 14 por nocaute e 11 derrotas, que ele promete terem ficado no passado.

Na luta que antecedeu o confronto de Rosado e Tapia, KeAndre Gibson (18-1-1, 7 KOs), de 27 anos, conquistou por decisão majoritária a disputada vitória contra Alejandro Barrera, de 31 anos, em uma batalha de muito desgaste físico.

Na luta preliminar, Gibson venceu um combate sangrento contra Barrera. (Photo: Golden Boy Promotions)

O mexicano Barrera sofreu nas mãos de Gibson, que mesmo vencendo também saiu muito castigado do combate. Ao final do evento, os vencedores da noite estavam com a sensação de dever cumprido, tanto pelo reencontro do boxe com Las Vegas, quanto pelas vitórias particulares que marcam um novo recomeço na carreira de cada um. 

Tudo ou nada para Rosado VS Tapia

NEVADA, EUA — Boxeadores como Gabriel Rosado (23-11, 1nd, 13 KOs) e Glen Tapia (23-4, 15 KOs) costumam oferecer lutas explosivas e de muita estratégia entre as cordas. Por conta de ainda não constarem entre os grandes nomes do boxe, seguem continuamente o caminho para se tornarem campeões efetivos. Assim, geralmente dão mais valor para o dinheiro do que seus colegas mais renomados e famosos do boxe.

Esse perfil de lutador possui mais sangue nos olhos por tentar ao máximo fugir das derrotas do passado e buscar a cada nova luta que merece encabeçar a grade dos grandes eventos. Depois de um tempo, cada combate para eles se torna um novo começo, uma nova chance para realizarem o sonho de ser um astro da nobre arte. O dinheiro é importante, claro, mas existe algo maior do que o valor da bolsa: Prestígio.

O que veremos nesta quinta-feira (19) entre “King” Rosado e “Jersey Boy” Tapia no Park Theater Monte Carlo Resort, em Las Vegas, será exatamente esse tipo de combate. Dois veteranos darão o máximo de si para que possam dar voos mais altos após tropeçarem na carreira.

Gabriel Rosado VS J’Leon Love em 2013. (Foto/Reprodução)

Durante a pesagem para a luta, Rosado comentou que começou no esporte por que era apenas um grande fã de boxe, mas sabia que, se eu pudesse ter a chance de se tornar profissional chegaria a algum lugar. “Era apenas um sentimento que eu tinha… Eu percebi que era algo forte que transformaria minha vida. Aí me dediquei cem por cento a ele “, declarou o boxeador.

Tapia por sua vez começou a carreira com muitas vitórias, invicto em suas primeiras 20 lutas profissionais, foi cuidadosamente combinado para a maior parte de seus rivais. Até que em dezembro de 2013 encarou James Kirkland e acabou derrotado pela superioridade do adversário. De lá pra cá, o americano de Nova Jersey caiu na instabilidade e perdeu a chance de se tornar um grande nome.

Podemos dizer o mesmo de Rosado, que depois de encarar o fenomenal Gennady Golovkin parece ter perdido os trilhos da vitória. Qualquer um repensaria sua decisão de lutar como um peso médio novamente acumulando tantas derrotas. Mas quando o conhecemos é nítido que morrer na praia não era uma opção. Rosado respira o boxe e demonstra isso em cada gesto.

Ambos entrarão no ringue na noite desta quinta-feira para o tudo ou nada. O favoritismo está levemente a favor de Rosado, mas todas as análises apostam no equilíbrio do embate decisivo. A vitória para quem sair com os braços erguidos do ringue representa mais uma oportunidade de ouro batendo na porta de um deles e que desta vez não perdoará mais deslizes no futuro próximo.

Por esses fatores, o combate dá a entender que será de nível “classe A” para os fãs do boxe que estiverem em um dos mais belos locais de Vegas. Antes de Rosado e Tapia se enfrentarem, o mexicano Alejandro Barrera (27-3, 17 KOs) vai encarar o americano KeAndre Gibson (17-1-1, 7 KOs) que também prometem uma grande luta.

Cotto deixará o boxe com missão cumprida

NEVADA, EUA — Em comunicado oficial, um dos boxeadores mais populares dos últimos tempos anunciou que fará sua última luta da carreira no dia 02 de dezembro, em Nova York. Miguel Cotto defenderá seu título dos médios da Organização Mundial de Boxe diante do nova-iorquino Sadam Ali no Madison Square Garden. Cotto, que completará 37 anos no próximo dia 29 de outubro, colocará um ponto final em uma carreira profissional que se iniciou em 2001.

Colecionando o recorde de 41 vitórias, 5 derrotas, sendo 33 nocautes, somando títulos mundiais em quadro divisões de peso, fazem automaticamente de Cotto um futuro candidato para entrar no Hall da Fama da nobre arte. O puertorriqueño deixará os ringues com a sensação de missão cumprida por proporcionar noites incríveis ao boxe quando enfrentou nomes como DeMarcus CorleyPaulie MalignaggiZab JudahShane Mosley Manny PacquiaoFloyd Maweather e Canelo” Álvarez  ainda quando estavam no auge.

O duelo da vingança: Cotto vs Margarito II (Foto/Reprodução: NBC Sports)

E o duelo mais significativo provavelmente tenha sido contra o mexicano Antonio Margarito. Para muitos especialistas, foi uma das melhores lutas da nova era do boxe. Margarito se mostrava marrento e ao mesmo tempo assustava a todos com um olho anormal antes mesmo do combate. Cotto tinha apenas um desejo naquela noite: vencer com propriedade e categoria.

A revanche entre Cotto e Margarito foi um show digno dos grandes duelos que entraram para a história do boxe. Foi uma noite memorável no Madison Square Garden que recebeu um público imenso de quase 20 mil pessoas. Um tapa na cara daqueles que na época diziam que o boxe só tinha Manny Pacquiao e Floyd Mayweather como as únicas atrações. Que engano!

Foi um duelo boxístico de dois estilos muito diferentes que tinham um único objetivo: comprovar a vitória. E sem delongas, as pessoas de bem naquele dia torceram para Miguel Cotto, por conta de diversas atitudes tomadas por Antonio Margarito nos últimos anos. Uma delas foi tirar sarro das deficiências do técnico Freddie Roach antes da luta com Pacquiao e claro, pela polêmica que envolvia o resultado da primeira luta entre ele e Cotto.

Apesar de seus defeitos, Margarito era resistente e muito forte. Mas seu olho direito não resistiu tanto quanto seu físico. Cotto venceu naquela noite de maneira gloriosa, por nocaute técnico e superou sua sede de vingança que vinha se arrastando até aquela data.

Nunca esqueceremos aquela noite de dezembro pela excelente aula de boxe oferecida pelos dois lutadores. A nobre arte naquele momento nos deu mais uma lição de que nunca terá fim. Cotto deixa seu legado de guerreiro e um exemplo de coragem a ser seguido nos ringues.

Guevara busca consolidar-se novamente

O campeão voltará? (Foto/Reprodução)

NEVADA, EUA — Após três meses de intensos treinamentos, Pedro Guevara (30-2-1, 17 KO’s) viajou no último sábado para o Japão, onde no próximo dia 22 de outubro lutará para conquistar novamente o título de campeão mundial de minimosca do Conselho de Boxe contra o japonês Ken Shiro (10-0, 5 KO’s), atual detentor do cinturão da categoria.

Guevara já proporcionou ótimas lutas aos fãs como no fim de 2014 quando enfrentou Akira Yaegashi e recentemente, em maio quando derrotou Oswaldo Novoa. Desde sua última derrota para Yu Kimura, conseguiu mostrar-se mais efetivo dentro do ringue e passou a ser mais ofensivo e ágil para buscar o resultado mais rápido enquanto dita o ritmo de luta.

O mexicano busca aplicar golpes muito potentes que são capazes de mudar os rumos do combate quando desejar complicando a vida do adversário. O astro do peso-mosca disse em entrevista a ESPN Deportes que vê nessa luta uma oportunidade de uma nova fase em sua carreira. Agora ele quer partir para uma nova etapa e se consolidar no cenário atual do boxe aos 28 anos.

Guevara treinou em Toluca, onde pode obter uma preparação física ideal para disputar o título. Comentou que o fato de que ele e seu adversário já terem derrotado o ex-campeão Ganigan Lopez não é um parâmetro e dispensa comparações por serem rivais de estilos diferentes.

Pelo twitter, o mexicano contou que entrará com o tema “Sinaloense” para o combate deste sábado. Ainda em entrevista, concluiu dizendo que está se sentindo confiante e preparado ao máximo para vencer a batalha e levar o campeonato para os mexicanos com uma vitória em até quatro rounds. Quem sabe ele consiga entrar para aquelas listas de “melhores nocautes do ano” em 2017. Suerte, hermanito!

Santa Cruz x Mares II em 2018

Mesmo com demora, revanche interessa à ambos. (Foto/Reprod: Premier Boxing Champions)

NEVADA, EUA — Leo Santa Cruz, 29, campeão em três divisões, voltou ao ringue pela primeira vez desde que recuperou seu título de campeão dos penas na revanche em janeiro contra Carl Frampton, mas atrasou uma outra esperada revanche com Abner Mares. Ao invés disso, no último sábado enfrentou Chris Avalos no evento principal de um evento do Premier Boxing Champions na Fox, em Carson. Santa Cruz não teve dificuldades para bater Avalos, uma eterna promessa do boxe que somou sua quarta derrota das últimas seis lutas em que atuou. Foi uma luta desigual no papel e mais inferior ainda no ringue.

Avalos era corajoso, mas não estava preparado o suficiente para encarar o poder de Santa Cruz e sofreu um severo castigo do “Terremoto”. O campeão continuou a atacar à vontade até chegar ao oitavo round quando o árbitro Thomas Taylor decidiu ter visto o suficiente e intercedido por minuto, 34 segundos. Santa Cruz melhorou seu cartel que agora ostenta 34 vitórias, sendo 19 KO’s e uma derrota.

Outra estrela da noite, Abner Mares, 31, que também conquistou títulos mundiais em três categorias, esperava enfrentar Santa Cruz nesta data em uma revanche de sua fabulosa batalha de 2015, onde Santa Cruz ganhou por decisão maioritária. Mas ele escolheu adiar esse confronto. Então restou aos dois lutarem com adversários separados neste undercard, onde ganharam sem mais problemas.

Mares demoliu o esforçado Andres Gutiérrez como esperado. Se entregou a cada espaço no ringue e soube aproveitar os momentos certos para aplicar uma estratégia bem ofensiva, conectando 283 de 808 golpes de acordo com a CompuBox. Sem entrar no ringue desde dezembro, Mares fez sua primeira defesa do título secundário da categoria que conquistou na última luta.

Ele abriu um corte no olho esquerdo de Gutiérrez no segundo asssalto, o que piorou no decorrer da partida. No décimo round, seguindo o conselho do médico, o árbitro Jack Reiss parou a luta e deu o resultado como apontava a pontuação dos juízes. Foi uma vitória absolutamente dominante para Mares, que agora tem 31 vitórias e duas derrotas na carreira.

Mesmo com atraso, uma revanche no mês de março de 2018 é bem vista por conta do estilo de luta que os dois boxeadores mexicanos oferecem quando estão em atividade. Santa Cruz tem a vantagem de apresentar um conjunto mais sólido de golpes e estratégias boxísticas, o que proporciona a ele ser um dos grandes fenômenos do momento. Já Abner Mares aposta em sua objetividade, que o torna mais eficaz sobre o adversário em muitos casos. Para a sorte do público, a junção desses dois perfis de lutadores costuma não decepcionar.